Search
sexta-feira 17 novembro 2017
  • :
  • :

Prefeitura é consultada sobre o destino dos alimentos produzidos e não consumidos nas merendas nas Escolas Municipais de Taubaté

Os parlamentares taubateanos aprovaram por unanimidade na Sessão Ordinária da última segunda-feira, 30.10, um requerimento de autoria do Vereador Guará Filho (PR) que solicita que a Prefeitura verifique junto a empresa “S.H.A Comercio de Alimentos”, responsável por fornecer a merenda escolar de Taubaté, sobre a possibilidade de realizar a doação dos alimentos produzidos e não consumidos na rede municipal de educação para os Professores, Servidores, Comunidade, ou até mesmo Entidades Assistenciais.
Segundo Guará Filho (PR), alguns servidores o procuraram e relataram que existe um desperdício muito grande dos alimentos que não são consumidos pelos alunos nas Escolas Municipais de Taubaté. Porém, uma ação da Procuradoria Geral da Republica preceitua que todo alimento disponibilizado, deve ser consumido obrigatoriamente só pelos alunos e não pelos professores e servidores da Rede.
“Infelizmente, hoje, existe uma exigência que priva os professores de consumirem estes alimentos que não são aproveitados pelos alunos no dia a dia, o que consequentemente, provoca um desperdício muito grande. É muito ruim saber que no atual cenário econômico brasileiro exista esse tipo de atitude, dói só de pensarmos o tanto de família, e pessoas carentes que poderiam ser ajudadas. Precisamos fazer alguma coisa.” (Ver. Guará Filho – PR).
O parlamentar taubateano ressalta que a intenção deste requerimento é reduzir o desperdício de alimentos, bem como, solicitar um melhor reaproveitamento dos próprios produzidos e não consumidos.
“Entendo que a partir do momento em que não iremos prejudicar as nossas crianças e estes alimentos vão diretamente para o lixo, porque não podemos ajudar os professores, ou então alguma instituição carente. Então esse é o motivo da apresentação do requerimento, eu quero que a Prefeitura negocie de fato com a empresa responsável para doar estes alimentos para quem precisa.” (Ver. Guará Filho – PR).
Após a aprovação do requerimento no Plenário da Câmara, o pedido do vereador segue para conhecimento do Executivo Municipal que tem o prazo legal de 15 dias corridos para se posicionar sobre o assunto e encaminhar uma resposta oficial.