Search
terça-feira 23 Janeiro 2018
  • :
  • :

Coluna do Crisante

 

Arizinho: o eterno camisa 10 do Juventus

Há aqueles que vêm pra ficar. Há aqueles que vão pra viver a sua história, mas tudo inicia aqui em Taubaté.
Ainda jovem, antes mesmo antes de completar 18 anos, meu irmão Ariovaldo Xavier dos Santos despediu-se de Taubaté. Saiu da Vila São Geraldo e partiu pra Santa Catarina para estudar para se tornar padre, passando por vários seminários do Estado. Ele acabou aportando em Jaraguá do Sul, que o adotou de braços abertos.
Por certo Jaraguá do Sul foi seu porto seguro, onde foi levado pelo padre Elemar Scheid, do Convento Sagrado Coração de Jesus da Vila São Geraldo de Taubaté, que fez uma carreira no clero em Jaraguá, São Paulo. Padre Elemar foi para Roma, chegando a ser graduado, e retornou à Jaraguá, onde ficou até seus últimos dias de vida. Foi enterrado em Taubaté, no Convento Sagrado Coração de Jesus, onde conheceu Ariovaldo, que naquela época morada atrás do convento da Vila São Geraldo.
Não foi em vão, quando padre Elemar apresentou Arizinho como jogador em Jaraguá, pois ele brilhou nos campos e se tornou o maior artilheiro de todos os tempos do Juventus, fazendo 254 gols em sua carreira futebolística.
No ano passado, dia 13 de dezembro, foi homenageado pelo Grêmio EsportIvo Juventus, onde se fez presente o presidente da Liga Jaraguaense e vice-presidente da Federação Catarinense de Futebol, Rogério Lauro Tomazelli, e por vários segmentos sociais, onde goza de grande amizade, pois construiu sua família que é tradicional na cidade.
Depois de se apresentar em todos os meios de comunicação e festas da cidade de Jaraguá, Arizinho não se esqueceu de suas raízes e dos seus amigos de Taubaté, e nos visitou esta semana. Fez questão de trazer camisas com a marca de 254 gols e presenteou os irmãos. Mas, o seu desejo era rever um velho amigo e, especialmente, dar-lhe uma camisa. Ademir Vitório foi seu parceiro de futebol e foi um craque. E por coincidência Ademir, que passou por momentos difíceis, está se recuperando e com certeza logo estará entre nós nos campos, torcendo pelo seu Vila São Geraldo, que o projetou no futebol.
Estive presente e me emocionei, e registramos esse momento, fazendo uma foto dos dois. Eles puderam relembrar os tempos em que fizeram vibrar as torcidas, as quais tiveram a oportunidade de ver os dois craques jogarem ainda muito jovens.
E que história interessante dos três personagens da Vila São Geraldo: Padre Elemar, Arizinho e Ademir Vitório. Meu irmão ficou feliz em retornar a esse pedacinho de chão que todos nós aprendemos a amar, onde tudo começou. Foi um encontro maravilhoso, e como disse o poeta: “Amigo é pra se guardar no peito do lado esquerdo bem dentro do coração”.

Por Oswaldo Crisante Xavier dos Santos

13/01/2018