Search
sexta-feira 17 novembro 2017
  • :
  • :

Política Nacional de Alfabetização vai aperfeiçoar aprendizagem no País

A partir do próximo ano, assistentes de alfabetização vão trabalhar em conjunto com os professores em sala de aula; cerca de 4,6 milhões de alunos devem ser beneficiados
Para melhorar os índices da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), o Ministério da Educação lançou ontem, quarta-feira, dia 25, a Política Nacional de Alfabetização. A iniciativa vai envolver a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a formação de professores, o protagonismo das redes e o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD).
Uma das principais medidas da nova política será o Programa Mais Alfabetização. A partir do próximo ano, assistentes de alfabetização vão trabalhar em conjunto com os professores em sala de aula para reforçar o aprendizado. A previsão é que a ação beneficie cerca de 4,6 milhões de alunos em todo o País.
Ainda para 2018, a expectativa do Ministério da Educação é atingir o número de 200 mil turmas em todos os municípios brasileiros, entre os 1º e o 2º anos do ensino fundamental.
Já no âmbito da Política de Formação de Professores, lançado na semana passada, o investimento será de cerca de R$ 2 bilhões e inclui o Programa de Residência Pedagógica, que vai ofertar 80 mil vagas a partir do próximo ano.
A criação da Política Nacional de Alfabetização pretende modificar um cenário preocupante. De acordo com os dados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA) 2016, divulgados também na quarta-feira 45,2% dos estudantes do ensino fundamental avaliados tiveram níveis satisfatórios em Leitura, com desempenho nos níveis 3 e 4. Em 2014, esse percentual era de 43,8%. A maioria dos estudantes, no entanto, ainda permanece nos níveis indesejáveis. Em 2016, 54,7% dos estudantes estão nos níveis 1 e 2. Em 2014, eram 56,1%.