Search
sexta-feira 21 julho 2017
  • :
  • :

Aniversário de 93 anos do Parque Vicentina Aranha

04 dias de Programação Especial, entre elas Cinema ao Ar Livre La La Land e show com Serial Funkers

 

No dia 27 o Parque Vicentina Aranha, em São José dos Campos, completa 93 anos. Seguindo sua vocação natural, o Parque consolida o seu legado como um lugar de cura, sinônimo de restauro para a saúde do corpo, da mente e da alma. É aqui que o cidadão sorri, desestressa, ouve música, caminha, brinca… É aqui que encontra o silêncio, a fruta e o conhecimento. É aqui que se sente saudável!
O aniversário do Parque será comemorado durante quatro dias com uma Programação Cultural Especial, em 27, 28, 29 e 30 de abril. Ela começa na quinta-feira, dia 27, às 19h com o primeiro de quatro encontros que serão realizados até o aniversário de São José dos Campos, nomeados A Cidade em 4 Tempos – projeto que objetiva fazer um panorama sobre a formação do município e reflexões sobre a cidade do futuro, através de diálogos construtivos com especialistas e convidados.

O tema do primeiro encontro A Cidade em 4 Tempos será Vicentina 93 anos , Saúde e Cidade: do Período Sanatorial aos dias de hoje. Para dialogar sobre como a aproximação de desenvolvimento urbano e saúde aconteceram no início do século XX e voltam a se articular nos dias atuais, o Parque convidou o médico especialista em pneumologia e tisiologia, com doutorado em saúde pública pela USP, Douglas Carlyle Belculfiné; o arquiteto e urbanista Ademir Pereira dos Santos, vencedor de dois prêmios Jabuti, o primeiro lugar na categoria Projeto Gráfico e o terceiro lugar na categoria Arquitetura e Urbanismo; e a médica infectologista, doutora em medicina preventiva e Paula Vilhena Carnevale Vianna, pesquisadora do Programa de Planejamento Urbano e Regional da Universidade do Vale do Paraíba (Univap). Para mediar essa conversa sobre a relação entre a saúde e a cidade, sua trajetória histórica e paradigmas, está a diretora da AFAC e gestora do Parque Vicentina Aranha Angela Maria Tornelli Ribeiro.

Na sexta-feira (28) às 18h, o Grupo Seresteiros do Vale vai reviver pelas alamedas do Parque uma experiência poética dos tempos do Vicentina, a serenata. O ato de interpretar canções de caráter sentimental pelas ruas, onde grupos de músicos cantavam sob as janelas de suas pretendidas noite adentro, foi uma manifestação popular muito comum no passado. Em um cortejo de música e poesia, a atração levará o público a uma emocionante viagem no tempo.

Logo após o cortejo, às 19h, o Parque presta uma homenagem apaixonada à Dolores Duran, figura marcante dos anos 50. Imortalizada pelas composições com forte pé na melancolia, Dolores foi uma mulher à frente de seu tempo, com um canto sensível, sem firulas e que transitava por diferentes gêneros. Beatriz Mentone, do grupo Memórias de um Caramujo, resgata neste show canções do repertório de Dolores, passeando pelos sambas irônicos, pelo melodrama dobolero, a sacanagem do baião e pela doçura da canção tradicional italiana e o clima dançante do foxtrot. A pianista Carla Pronsato acompanha Beatriz Mentone em um repertório bem arranjado que celebra os anos dourados de uma maneira atual, capaz de agradar dos mais nostálgicos aos mais antenados.

Ainda na sexta-feira (28) às 20h30, o Parque apresenta no Cinema ao Ar Livre um grande clássico dos tempos do Vicentina, o musical Cantando na Chuva (1952). Com duas indicações ao Oscar e um Globo de Ouro de Melhor Ator, Cantando na Chuva é considerado um dos maiores musicais americanos de todos os tempos. Seu roteiro foi escrito apenas após a escolha das canções que fariam parte do filme, um verdadeiro musical que foi exibido pela primeira vez no dia 27 de março de 1952, em Nova York, marcando a transição dos filmes mudos para os falados.

Num entrelaçamento de linguagens, no sábado (29) a partir das 17h30, Academia Cristina Cará realizará uma apresentação especial antes da Sessão de Cinema ao Ar Livre. Esta data foi declarada pela UNESCO como o Dia Internacional da Dança, considerando sua importância histórica, cultural e incontáveis benefícios. Mesclando ritmos e estilos, uma das academias mais premiadas do país apresenta sua homenagem no Parque Vicentina Aranha.

Após a apresentação às 19h30, o Cinema ao Ar Livre exibe um dos filmes mais comentados de 2016, La La Land (2016). Com 141 indicações no mundo do cinema, tendo vencido até o momento 65 prêmios, dentre eles o Oscar de Melhor Direção, Atriz, Canção e Trilha Sonora, o musical La La Land referencia o clássico Cantando na Chuva e os grandes musicais de Hollywood. O longa-metragem foi o primeiro filme no gênero musical do jovem diretor Damien Chazelle que, com apenas 31 anos, coleciona elogios desde de seu primeiro filme de grande distribuição, o drama Whiplash (2014).

No domingo (30) a partir das 09h, o Parque abre o último dia da Programação Especial de 93 anos com uma proposta inusitada aos seus frequentadores, a construção coletiva de uma Cartografia Afetiva do Parque Vicentina Aranha. Através de três diferentes intervenções artísticas, o mapa será construído a partir de depoimentos dos visitantes que poderão dividir suas impressões sobre o Parque com convidados que farão uso de linguagens como o desenho, a palavra e o vídeo para traduzirem sentimentos. Para realizar as intervenções durante toda a manhã, foram convidados a desenhista e ilustradora Magô Pool, o escritor jossense Rafael Sarzi e a historiadora Maria Siqueira Campos. As cartografias afetivas buscam expor singularidades humanas que representam o vínculo que criamos nos territórios que percorremos.

 

As crianças, assíduas visitantes do Parque Vicentina Aranha, também serão presenteadas com a Programação Especial de 93 anos. No domingo (30) às 09h30, o Parque vira palco para o teatro de bonecos O Gigante Egoísta, uma linda adaptação do conto de Oscar Wilde que fala de amizade e altruísmo. A história foi publicada originalmente em 1888, quando Oscar lançou uma coletânea de contos infantis dedicados aos seus filhos com o objetivo de mostrar a vida como ela é e como deve ser vivida. O Gigante Egoísta, que será encenado pela Cia Prana Teatro e conta com uma bonequeira e um violinista, narra a história de um gigante que, para impedir a entrada das crianças em seu belo jardim, constrói um muro muito alto. A apresentação é indicada para crianças acima de quatro anos.

Encerrando a Programação Especial em grande estilo, domingo (30) às 10h30 o Parque recebe oSerial Funkers, banda regional com mais de 10 anos de carreira que já encantou plateias em todo país. Com o intuito produzir um som inspirado na soul music, no funk americano e no balanço da música brasileira, os amigos Regis, Luciano e Luguta decidiram unir-se para tocar e cantar o melhor do funk de raiz, isto é, a música feita por mestres com James Brown, Stevie Wonder, Al Greens, Otis Reading e Nile Rodgers. Alguns anos depois, Herbert se juntou ao grupo e o resultado desse encontro tem sido uma música autêntica, pulsante e cheia de energia. Serial Funkers é Regis Paulino na voz, também cantor do Programa Amor & Sexo da Rede Globo de Televisão, Luciano Ribeiro no baixo, Luguta nas baterias e vocais e Herbert Medeiros nos teclados.

O Aniversário do Parque Vicentina Aranha é uma realização da AFAC – Associação para o Fomento da Arte e da Cultura e conta com o patrocínio do Grupo Policlin e Laboratório Oswaldo Cruz; apoio da Escola Monteiro Lobato e da UNIMED; e promoção do jornal O Vale e rádio Jovem Pan.

Através de shows, sessões de cinema, dança, palestras e atividades, a Programação Especial de 93 anos do Parque reafirma o compromisso do Parque Vicentina Aranha em curar as dores que não são passíveis de remédios.