Search
sexta-feira 26 maio 2017
  • :
  • :

Santo Verbo – Inspiração de Lao Tsé

Foto – Equilíbrio

Lao Tsé ou Lao Tsu, além de outros modos, são todas pronúncias ocidentalizadas, para o título do místico personagem da antiga filosofia Oriental. Isso quer dizer que Lao Tsé significa “grande senhor” ou “velho mestre”. O verdadeiro nome de Lao Tsé seria Li Er ou Lao Dan.

Conforme a tradição, ele nasceu em Chu (atual Luyi), na China, província de Henan e viveu no século 6 a.C. Porém, há quem afirme que ele viveu dois séculos depois, em um período conhecido como Cem Escolas de Pensamento.

É atribuída, ao filósofo chinês, a autoria da obra criadora do taoísmo, o “Tao Te Ching”, ou Livro do Caminho e da Virtude. Lao Tsé tornou-se um dos principais ícones cultuados no taoísmo, que é uma mescla entre religião e filosofia.

Lendário ou não, os preceitos de Lao Tsé transcenderam os limítrofes da China. O taoísmo se espalhou pela Ásia, assimilando-se a uma cultura de vida. Além de que, nos anos de 1900, uma tradução do “Tao” em Latim chegou à Inglaterra. Com isso, a dispersão das palavras de Lao Tsé foram incorporadas na prática política no Ocidente.

Regozijem-se! A paz amorosa e fraternidade de Deus estão aqui na Terra. Lao Tsé disse: “sentar-se com as pernas cruzadas. Sentir como se houvesse uma balança dentro de você. Cada uma das pontas da balança está próxima aos mamilos. O ponteiro está entre os olhos, onde se acredita que esteja o terceiro olho. As correntes da balança estão em seu cérebro.”

Depois: “esteja consciente dessa balança dentro de você 24 horas por dia e prestar atenção para que as bandejas de ambos os lados estejam sempre no meio. Se puder equilibrar essa balança dentro de si mesmo, terá completado sua viagem.”

A pessoa descobrirá que a mais leve respiração já desequilibra os dois lados da balança. Mesmo em silêncio, basta alguém entrar no quarto ou no escritório e a balança se mover para cima e para baixo. Por último:

“equilibrar a consciência. Os opostos devem ser igualados e o ponteiro central permanecer fixo no centro. Se a vida trouxer felicidade ou infelicidade, luz ou escuridão, honra ou desonra, manter o olho focado nessa balança interna e ajustá-la continuamente.” Um palpite para o equilíbrio!

 

Por Tibério de Sá Leitão