Search
quinta-feira 17 agosto 2017
  • :
  • :

São Paulo recebe Feira Viva de inverno, no Parque da Água Branca, dia 12

Segunda edição do evento terá como tema central a carne, o fogo e o processo de ocupação do território brasileiro por meio da agricultura e da tecnologia

Estreitar as relações entre a agricultura, a pecuária, o meio ambiente e a gastronomia é o principal objetivo da Feira Viva, que chega a segunda edição na capital paulista, dia 12, sábado, das 10h às 20h, no Parque da Água Branca. O evento é realizado em conjunto pelo produtor rural Patrick Assumpção, a agrônoma Keila Malvezzi e Sociedade Rural Brasileira (SRB), com patrocínio do banco Santander.
A feira tem entrada gratuita, com o objetivo de levar para os consumidores paulistanos alimentos com os melhores sabores brasileiros, produzidos sob o conceito de terroir – termo francês que designa a origem dos produtos e suas particularidades regionais na oferta de um alimento de extrema qualidade, conceito apelidado na Feira Viva de “terroar”. Nesta edição de inverno, o tema central será a carne, o fogo e o processo de ocupação do território brasileiro por meio da agricultura e da tecnologia, fomentando iniciativas que representem modernas práticas de gestão e levando, por meio do produtor rural artesanal, produtos únicos, sustentáveis e de forte identidade cultural aos consumidores.
O público será convidado a percorrer, da terra à mesa, sabores e regiões representativas na formação do povo e da cultura no nosso país ao longo do tempo. Para isso, a Feira Viva estará montada em estações, divididas por seis territórios – cada uma terá um chef convidado preparando pratos a partir dos elementos de suas regiões: Tradição Nordeste (nordeste), Vales e Veredas (oeste), Caiçara (sudeste), Caipira (sudeste), Campanha Gaúcha (sul) e Solo Terra Preta de Índio (norte).
Durante um dia inteiro, o consumidor terá a oportunidade de circular por esses territórios em uma experiência completa, com a degustação, a partir das 12h, de pratos a preços populares (até R$25), assinados pelos chefs Rodrigo Oliveira (Mocotó) – Atolado de Bode e farinha de mandioca, Mário Portella – Costela no fogo de chão ou Arroz caldoso, André Mifano (Lilu) – Parati na brasa e farofa de banana da terra, Rafa da Bocaina – Porco caipira e angu insosso de milho, Rômulo Morente (Pobre Juan) – Cordeiro no fogo e vegetais de inverno e Eudes de Assis – Palmito assado na folha de bananeira com pesto de taioba e bottarga ralada ou Sopa de pupunha com refogado de peixe seco no varal. No mesmo espaço haverá ainda a venda de produtos e comidinhas direto dos mais de 25 produtores rurais, como o Sítio Quintal (pinhão descascado, cogumelo em pó, feijão, ervas e temperos), Pardinho Artesanal (queijo cuesta, mandala e cuesta azul), Maria Preta Jabuticaba (compotas, geleia, polpa congelada, licor e massas de jabuticaba) e Agostinho da Paçoca (paçocas e pilões de madeira).
A Feira Viva terá também um auditório com uma programação composta por 6 painéis, das 11h às 17h, onde técnicos, especialistas, estudiosos e chefs discutirão sobre temas como produção artesanal (Espedito Seleiro, Pardinho Artesanal, Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo e representantes da região produtora de queijos da Canastra e produção de vinho artesanal); modos e preparos da mandioca (Rodrigo Oliveira (Mocotó), Dra. Teresa Lozada e Agostinho da Paçoca); o milho e a trajetória na cultura caipira (Rafa da Bocaina, representante da Embrapa/CATI e Carlos Alberto Dória); a produção sustentável da madeira (Instituto Europeo de Design, Patrick Assumpção, Anderson Falcão, Hugo França e Ricardo Cardim); e da cadeia a sazonalidade do peixe (André Mifano (Lilu), Eudes Assis (Taioba Gastronomia) Cauê Tessuto e representante da Embrapa). Cada painel tem valor de R$40,00 (cliente Santander R$32,00 – 20% de desconto – limitado a 30% dos convites) e poderá ser adquirido pelo site www.ingressorapido.com.br ou na bilheteria no dia do evento. No final do dia, entre às 16h e às 18h30, uma roda de samba irá animar o evento.

Passaporte experiência

Àqueles que desejam uma experiência completa, poderão comprar um passaporte que dará acesso à degustação de 6 pratos (1 prato do chef em cada território) e 1 sessão a escolher do painel com especialistas. O ingresso do passaporte custará R$140,00 (cliente Santander R$112,00 – 20% de desconto – limitado a 30% dos convites) e poderá ser adquirido pelo site www.ingressorapido.com.br ou na bilheteria no dia do evento.

Visita Guiada

Rico em natureza e atrações, o Parque da Água Branca poderá ser explorado pelo público da Feira Viva com visitas guiadas na Área Ambiental e Museu de Geologia. As saídas acontecerão às 11h, 14h e 15h30, com limite de público por horário de 25 pessoas.

Sobre a Feira Viva

A Feira Viva foi idealizada em 2016, em conjunto pelo produtor rural Patrick Assumpção, pela agrônoma Keila Malvezzi e pela Sociedade Rural Brasileira (SRB), uma das principais entidades representativas do agronegócio, com patrocínio do banco Santander. O projeto, que realizou em maio a sua primeira edição, a de outono, prevê a realização além desta, de mais duas edições até o fim de 2017 – primavera e verão – com o objetivo de aproximar o produtor rural e as demandas dos consumidores, sobretudo, das zonas urbanas.
“O Brasil pode oferecer uma variedade gigantesca de produtos de altíssima qualidade e identidade regional, produzidos com técnicas modernas que conciliam a agricultura, meio ambiente e gastronomia”, destaca João Adrien, diretor da SRB. Segundo Patrick Assumpção, o consumidor precisa saber como os alimentos são produzidos, onde e por quem, para ser capaz de definir um cardápio saudável para sua família. “Por isso, fizemos questão de oferecer somente produtos sazonais e locais”, enfatiza o produtor rural. “A Feira Viva nos traz a possibilidade de disseminar, por meio da gastronomia, novos modelos de negócio que conciliam produção agrícola e preservação ambiental,demonstrando que essas duas atividades podem caminhar juntas.”, diz Assumpção.
Fundamentado neste contexto, o Santander patrocina a realização do evento como grande oportunidade de mostrar ao público o formato de novos modelos de negócios para todo o agro brasileiro. Com o incentivo, o Santander também reforça sua participação no apoio às inovações empreendedoras e culturais, uma vez que, a gastronomia está entre as grandes expressões da cultura de um País.

Sobre a Sociedade Rural Brasileira (SRB)

Fundada em 1919, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) é uma entidade de caráter associativista que representa o campo trabalhando, há quase cem anos, na formulação de políticas públicas e iniciativas voltadas para o desenvolvimento da agropecuária.
A Rural foi formada por produtores rurais empenhados na constante modernização do setor. No século XXI, adaptada às mudanças da cadeia produtiva, manteve-se como o principal espaço para a intermediação dos interesses de seus associados. Sua missão é solucionar conflitos e gerar consensos para que o agro continue sendo cada vez mais eficiente, competitivo e sustentável.
Na esfera política, a instituição mantém uma agenda propositiva e atua com a defesa de demandas da base produtiva. Destaca-se pela tradição do contato direto e cotidiano com os produtores, buscando garantir o contínuo avanço tecnológico e a conscientização dos desafios que se apresentam no desenvolvimento da atividade rural.