Search
domingo 23 julho 2017
  • :
  • :

Política e Políticos

Aumentou a desaprovação à atual administração municipal de Taubaté, segundo publicação feita por órgão de comunicação local, baseado em consulta “on line” de enquete feita entre os dias 10 e 13 de julho últimos e publicado no dia 14 de julho passado. Na mesma consulta, feita em 18/07/2017, a desaprovação pulou para 57%, a aprovação foi para 14% e os que não sabem, 12% e regular, 17%.
De acordo com a consulta, a administração do prefeito municipal é desaprovada por 57 % da população, aumentando em 3% sobre o resultado da última pesquisa feita pelo mesmo órgão, da mesma forma, que registrou 54%.
Nesta última consulta, somente 14% avaliaram como positiva a gestão pública do atual mandatário municipal. Outros 17% julgam regular a atuação e 12% dizem que não sabem.
Não teria sido necessário uma consulta popular para identificar o grau de satisfação popular em relação à forma como está sendo gerenciada a cidade, como é conduzida a administração municipal, isto é facilmente constatada nas conversas nos bares, padarias, lojas, centros de compra, igrejas e outros pontos de aglomeração popular, quando questionadas as pessoas acerca da gestão municipal. A desaprovação é geral, os comentários os mesmos, desde cidade abandonada, a gestão meia boca, os comentários variam de acordo com o ambiente, mas desaguam sempre no mesmo oceano, qual um vale de lágrimas causado pela decepção causada com tamanho desrespeito que se vê pela coisa pública.
Logo após anunciados os resultados da eleição de outubro do ano passado, sempre foi-se alertado da falsa vitória esmagadora do atual prefeito, que estava no poder, mantido no cargo por recursos jurídicos incontáveis, diante da falta de adversários credenciados na eleição que havia ocorrido, sem qualificação, supervalorizando uma vitória , designada na ocasião como uma vitória falsa, enganosa, ilusória como uma nota de mil dólares.
Encerrado o primeiro malfadado primeiro mandato, partia-se agora para um segundo, como por encanto se via e ouvia uma população esperançosa de coisa nova, talvez, uma mudança nos destinos de uma terra devastada , dos quatro anos anteriores que lhe impuseram um desastre.
O simples anúncio da repetição dos mesmos nomes do primeiro tempo dessa ladainha desastrosa, na composição do secretariado municipal, obrigou a todos a todos uma dose de cautela, se o que não deu certo antes, como poderia melhorar agora, com estas mesmas caras no comando? Mais do mesmo, será que vai certo? Perguntava a população, incrédula. Estava certa ela, mais do mesmo, errado, incompetência à vista, incapacidade de gerência na condução do município, cesteiro que faz um cesto, faz um cento, ensina-nos a sabedoria popular.
O mal estava feito. Passam-se os dias, meses, nada de alteração em nada. A máquina pública, parada. Nada se faz. Nem de novo, nem de velho. Nada, nada, nada. A cada dia chegam-se mais notícias tristes, desalentadoras, que nos levam ao fundo do poço da mais profunda tristeza, uma espécie de depressão coletiva, de 300 e poucas mil pessoas. Uma depressão municipal. Pode parecer exagero, mas não é.
Como diz, o deputado federal comediante, Tiririca, “pior que tá, num fica”!!! Num fica? Ledo engano. Fica, sim, e vai ficar pior, a cada dia, meses, anos. A administração municipal entregue “ao Deus dará”, sem comando, liderança, arrastando-se como um paquiderme pela lama do passado envergonhado e contaminado, que se projeta como um vaticínio horroroso para uma cidade das tradições de Taubaté, se ver diante de tal situação calamitosa qual um lugarejo de filmes do velho – oeste, onde a lei do mais forte prevalece.
Estamos infelizmente diante de um quadro real, que se agrava cada vez mais, com o passar do tempo e com os desmandos a que estamos assistindo , sem que haja nenhuma providência que se avizinhe e nos dê a esperança de dias melhores para a cidade.
Pior, a população assistindo a tudo, impotente, com os poderes adormecidos anestesiados, incapazes de se levantar diante de tal calamidade existente. Quem os defenderá, quem gritará seu nome em sua defesa, quem colocará nos trilhos o trem da moralidade da coisa pública?
Do jeito que está, a coisa será pior daqui a poucos dias, com os resultados de novas consultas populares gritando aos ouvidos moucos da gente taubateana, o tamanho erro cometido em outubro do ano passado. A cidade está de mal a pior.
O foco da atual gestão são os US$ 60 milhões, provenientes de um pedido de empréstimo a banco mundial, que por certo cairão na goela dos crocodilos esfomeados assentados na sede do antigo colégio de madres do Bom Conselho.
Para piorar tudo, o chefe do executivo é mal cercado, com secretários e assessores mal intencionados, que só sabem adular o chefe , levando-lhe informações falsas e mentirosas, tendenciosas,, próprias de bajuladores que querem se garantir no emprego. Desleais. E a cidade, pobre, abandonada.
Como já dizia ilustre política da cidade, pelos idos de 1970, consagrado popularmente “ Taubaté vai parar, já parou”!!!!

 

Por Tarcísio de Souza e Silva

21/07/2017